A alimentação nas festas de candomblé da região da cidade do Recife já não possui o gosto dos orixás

Cozinha de Candomblé

Autores

  • Bruno Celso Vilela Correia Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Cristina Larrea Killinger Universitat de Barcelona
  • Jesús Contreras Hernández Observatório de la Alimentación

Palavras-chave:

Comida; Candomblé; Desaparecimento; Terreiro; Recife.

Resumo

Este artigo tem por propósito demonstrar que os terreiros de Candomblé da região de Recife já não oferecem as icônicas comidas típicas de terreiro, ou comida de orixá, nos momentos finais das festividades dos terreiros, os ditos “ajeum das festas”, na alimentação dos integrantes do culto e seus visitantes. Para tanto foram realizadas investigações nos 3 terreiros mais conhecidos e prestigiados da região e mais 2 terreiros locais onde foi possível identificar que as comidas de axé como o acarajé, o amalá, o xinxim e muitas outras iguarias vem desaparecendo deste momento festivo do culto para serem substituídas pela “comida de branco”, ou comida não relacionada com a comida dos orixás. No momento final das festas dos orixás, onde as pessoas presentes eram convidadas a participar do banquete de comunhão, os indivíduos se alimentavam das comidas prediletas da divindade em comemoração. Porém, por algumas motivações esclarecidas pelos integrantes do Candomblé local, como perseguições históricas, o custo dos alimentos, enfermidades e proibições alimentares por parte dos adeptos do culto e até mesmo a moda culinária; fizeram com que o ajeum final das festas de Candomblé da região de Recife já não parecessem com uma festa de terreiro, ao menos no tocante a alimentação característica de um terreiro de Candomblé. Hoje de tudo se encontra: bolos confeitados, frango xadrez, açaí na tigela, menos as comidas de orixá: o que fez alguns integrantes do Candomblé de Recife repensarem um retorno do ajeum das festas de terreiro ao costume da comida de orixá.

Referências

(1) Duvignaud, Jean. Festas e civilizações, Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, (1983).

(2) Motta, Roberto. Transe, sacrifício, comunhão e poder no Xangô de Pernambuco, Revista de Antropologia, USP. n. 34, p. 131-142, São Paulo, (1991).

(3) Loyola, Maria Andrea. Médicos e curandeiros: conflito social e saúde, Difel, São Paulo, (1984).

(4) Ortiz, Renato. A morte branca do feiticeiro negro, (1ª ed.), Editora Brasiliense, São Paulo, (1991).

(5) Prandi, Reginaldo. O Brasil com axé. Candomblé e Umbanda no mercado religioso, In. Estudos Avançados, 18, 52, São Paulo, (2004).

(6) Contreras, Jesús; Gracia, Mabel. Alimentação, sociedade e Cultura, Editora Fiocruz, (22ª ed.) Rio de Janeiro, (2011).

(7) Fonseca, Eduardo P. de Aquino. Candomblé: a dança da vida: um estudo antropológico sobre afiliação às religiões afro-brasileiras, Editora Massangana, Recife, (1999).

(8) Bastide, Roger. O Candomblé da Bahia, (1ª ed.), Companhia Editora Nacional, São Paulo, (1961).

(9) Campos, Zuleica Dantas Pereira. Memórias etnográficas do Sítio do Pai Adão, Recife, Revista de Teologia e Ciências da Religião. Ano IV, nº 4, (2005).

(10) Kileuy, Odé; Oxaguiã, Vera de. O Candomblé bem explicado: nações Bantu, Iorubá e Fon, (1ª ed.), Pallas, Rio deJaneiro, (2014).

(11) Capone, Stefania. A busca da África no Candomblé: tradição e poder no Brasil, Pallas, Rio de Janeiro, (2004).

(12) https://g1.globo.com/economia/noticia/cronologia-greve-dos-caminhoneiros.ghtml Acesso em: 30 de junho de 2020.

(13) Campos, Zuleica Dantas Pereira. Religiões afrodescendentes no Recife: uma trajetória de modernização e reinvenção de tradições na história, Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, (2011).

(14) Pacheco, Aristides de Oliveira. Manual de organização de banquetes, (3ª ed.), Editora Senac, São Paulo, (2004).

(15) Lody, Raul. Santo também come, (2ª ed.), Editora Pallas, Rio de Janeiro, (2002).

(16) Prandi, Reginaldo. Deuses africanos no Brasil contemporâneo: introdução sociológica ao candomblé de hoje, Horizontes Antropológicos, N. 3, p. 10-30, Porto Alegre, (2005).

(17) Guerra, Lúcia Helena Barbosa. Memória e etnicidade no Quilombo Ilé Axé Oyá Meguê. Ciências Sociais Unisinos, 47 (3), 284-291, (2011).

(18) Almeida, Maria das Graças A. A. de. A construção da verdade autoritária, (1ª ed.), Editora Humanitas/USP, São Paulo, (2001).

(19) Queiroz, Martha Rosa Figueira. Religião afro-brasileira no Recife: intelectuais, policiais e repressão, Dissertação de Mestrado em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil, (1999).

(20) Motta, Roberto. Comida, família, dança e transe. Revista de Antropologia, V. 25, p. 147-158, São Paulo, (1982).

(21) Querino, Manuel. A Arte Culinária na Bahia, Livraria Progresso Editora, Salvador, (1957).

Downloads

Publicado

07/18/2022

Como Citar

Vilela Correia, B. C., Larrea Killinger, C., & Contreras Hernández, J. (2022). A alimentação nas festas de candomblé da região da cidade do Recife já não possui o gosto dos orixás: Cozinha de Candomblé. Revista De Alimentação E Cultura Das Américas, 3(1), 5–27. Recuperado de https://raca.fiocruz.br/index.php/raca/article/view/115